Onde Tudo é Nada... E o Nada é Tudo
Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
"CASA"

 

A propósito da polémica gerada em torno da mais recente obra de José Saramago, “Caim”, numa primeira fase, acolhi com alguma cumplicidade o tema desse novo livro do nosso Nobel da Literatura, aliás tinha já abordado o assunto em 01/01/2009 (quando teci uma crítica dirigida ao meu amigo Fernando Rocha Amaral, a propósito da sua obra “Em busca de Deus”).

Essencialmente “critiquei” o Velho Testamento pelas suas mensagens de “ ira, maldade, vingança, morte e destruição” … e concretizei com algumas passagens: “ Abel e Caim, Sodoma e Gomorra, Noé e o Dilúvio, Jó, os Hebreus no Egipto, as doze pragas que os egípcios sofreram enquanto o faraó não se decidiu a libertar o Povo Escolhido, o Mar Vermelho que se abriu para os hebreus e se fechou à passagem do exército egípcio…”.
Há de facto muita dureza no Antigo Testamento e foi nesse sentido que critiquei o princípio de “olho por olho, dente por dente”. Pelo contrário, defendi o Novo Testamento, que nos mostra um Deus misericordioso e pela mensagem de paz, de perdão e de esperança que nos transmite.
Relativamente a “Caim”e à sua controvérsia, na medida do possível, acompanhei várias declarações do autor através da televisão, nomeadamente, um frente a frente com o padre Carreira das Neves e uma entrevista no Expresso com o padre Tolentino de Mendonça. Impressionou-me a clarividência de Saramago, a segurança com que defendia as suas posições e, no imediato, parecia ser ele o vencedor dos confrontos com os opositores.
Mais distanciado desse burburinho, na minha cabeça começaram a instalar-se dúvidas no que diz respeito ao tema em si e à forma como foi contestado por diversas personagens ou instituições, bem como à forma dura e firme como Saramago aparentemente vencia tudo e todos. No entanto, para mim, a determinada altura, a sua postura passou a ser encarada sob um outro prisma e a sua firmeza e intransigência adquiriu o formato de altivez, desdém e arrogância.
Segundo o autor de Caim, vivemos num regime político de liberdade em que um artista pode dizer muito bem o que lhe apetece, seja qual for o tema ou assunto versado. Achei que fazia sentido o que dizia, no entanto, quando confrontado com as declarações de um deputado europeu do PSD, de que perante tamanho “escândalo”, deveria renunciar à cidadania portuguesa, interrompeu o jornalista e disse que esse assunto não merecia sequer ser abordado, já que não comentava frases estúpidas qualquer que fosse a sua proveniência.
Este episódio fez-me lembrar uma brincadeira de crianças antiga e penso que ainda actual, que eram as “caçadinhas” em que um jogador tentava apanhar os outros que corriam e escondiam-se para evitarem ser caçados. Em última instância, o fugitivo, prestes a ser “caçado”, recorria ao argumento de estar em “casa” e dizendo esta palavra ficava automaticamente salvo do perseguidor, já que “casa” era terreno neutro onde ficava em segurança.
Quis-me parecer que Saramago recorreu a esse velho truque da “casa” quando a citação do tal deputado batia em algo que certamente o magoava. Mas então não vivemos num país livre, em que já não há fogueiras em S. Domingos? Em que somos livres de dizer o que quisermos? Em que a liberdade de expressão é um direito para todos, ou será só para alguns usarem segundo a sua conveniência. Na iminência de serem apanhados recusam-se terminantemente a falar sobre o assunto.
Eu, como pseudo-autor, escritor ou artista, não poderia dizer nestes minhas artísticas frases, que a mãe de Saramago era uma p… o pai era um c… e por aí fora? Sou livre e posso dar expressão aos meus pensamentos, às minhas dúvidas ou devaneios, no entanto não o faço, porque mesmo em liberdade, há alguma ética e decência a preservar, caso contrário estaríamos numa anarquia no pior sentido que essa palavra possa ter.
É evidente que o senhor Saramago se esconde no seu ateísmo para ganhar imunidade contra os detractores, mas, tal como ele se afirma ateu, também posso declarar-me anti-social para não ter que dar justificações sobre aquilo que penso, falo ou escrevo, mesmo que sejam barbaridades.
 
25 de Outubro de 2009  
Miguel Costa   

 

Subscrevo totalmente a opinião deste Amigo, não vi a entrevista toda mas conhecendo a obra  de Saramago e o próprio, tenho de lhe dar muita razão.

Isto é mesmo uma casadegentedoida.

 

 


sinto-me:

publicado por casadegentedoida às 21:18
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Rute a 1 de Novembro de 2009 às 13:20
Boa tarde

Na minha opinião foi dada importância a mais a esse livro. Apesar de José Saramago não ser de todo um dos meus escritores preferidos, se ganhou um nobel há que admitir de deverá de ter alguma qualidade. O problema é que ele acha que por ser bom no passado também necessariamente o é no presente. Apesar de ganhar um Nobel não significa que todos os seus livro têm qualidade. Uma vez que não li o referido livro não o posso criticar. Apenas acho que toda esta polémica o beneficiou pois é sempre boa publicidade e uma forma de vender mais. A mim o que me admira é uma pessoa que se dizes ser Ateu estar a dar tanta importância a Deus. Para mim uma pessoa Ateu é aquela que não acredita em Deus logo não faz sentido esta a critica-lo pois assim assume que ele existe. Deve de haver limites, acho que a Igreja não deveria de ter dado importância e deveria de ter ignorado as suas provocações, pois ao responder-lhe está a dar-lhe importância. E de importante ele não tem nada, é um escritor como tantos outros, que se lembrou de escrever um livro sobre um Deus vingativo, é a opinião dele, nada mais.
A meu entender todo o que ele diz é para esquecer, o tempo dele já passou, a que dar importância sim a escritures que não renegam ser Portugueses, que apoiam o País e não passam a vida a critica-lo.

Bom feriado e boas ferias


De casadegentedoida a 1 de Novembro de 2009 às 22:10
Olá Rute, concordo plenamente com a Tua opinião. Sempre afirmei e continuo a afirmar que tudo isto não passa de uma campanha de marketing, alguma maneira tem de se arranjar para vender livros. No caso de Saramago foi criticar a Igreja criticando a Bíblia. Dizes muito bem que o tempo dele já passou, só ele é que ainda não viu.
Bjs.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Contador
conter12
posts recentes

Amigos e amigos.

Feliz Ano Novo de 2017!!!

Mudança!

Deus repara coisas...

Uma gargalhada...

Porque é que depressão ma...

Dia da Mãe e Dia do Traba...

Motivação

Ano Novo!

Férias? Sim.

links
arquivos

Janeiro 2018

Dezembro 2016

Novembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Julho 2015

Maio 2015

Março 2015

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds