Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casa de Gente Doida

Onde Tudo é Nada... E o Nada é Tudo

Casa de Gente Doida

Onde Tudo é Nada... E o Nada é Tudo

Liberdade e liberdades

casadegentedoida, 25.03.08

Agora todo mundo fala ou comenta a nova lei que o Governo quer instituir sobre as tatuagens e os piercings. Estão todos contra esta nova medida, dizem que é fascista, controladora, pidesca, totalitária, ditatorial, enfim um sem numero de adjectivos.

Só ainda não vi (nem li) ninguém a concordar com esta medida. Por que? Será que é chique o falar contra  as leis instituídas por este Governo? Ninguém se lembra que pode haver pessoas que até concordam? Realmente é um pouco estranho. Será que algumas pessoas para se fazerem ouvir tem de vir a publico fazer algazarra? Armados em defensores da liberdade, quando tem em casa empregadas domésticas que são exploradas, com o salário mínimo , com horários de mais de 12 horas. Que estão ali para os "servir" como no tempo dos escravos?

São estas pessoas que mais barulho fazem, que mais criticam. Serão elas detentoras da verdade? da sabedoria? os outros são o que?

Será que não temos direito de liberdade de expressão? contra ou a favor?

Na nossa sociedade actual é necessário conseguirmos discernir onde começa e acaba a nossa liberdade. Por exemplo, gosto de ouvir musica com som mais alto, tenho a liberdade para tal, mas ela acaba no momento em que começo a tornar-me incomodativo para os outros. Estaciono o carro e ocupo dois lugares (como muitos), tenho o direito de estacionar mas não a liberdade de ocupar dois lugares  ou estacionar nos lugares dos deficientes (quando não se é, é uma falta de respeito). Tenho o direito de fumar, mas não a liberdade de incomodar os outros, tenho o direito de dizer palavrões mas os outros não tem obrigação de ouvir.

Enfim há uma serie enorme de situações na nossa sociedade, não consigo aqui enumera-las todas, que nos colocam a pensar nos nossos direitos e deveres.

Outro dia assisti uma cena caricata, uma senhora toda ofendida reclamava com o empregado do banco sobre o cheque que lhe tinha sido devolvido. Ela barafustou, que tinha os seus direitos, que aquilo não podia ser assim, o que os outros iam pensar dela, e o empregado que estava ao balcão respondeu-lhe, sim senhora a situação era chata mas ela estava a esquecer-se duma coisa, ela quando pediu cheques e os recebeu e os assinou assumiu o compromisso de ter dinheiro na conta para os pagar. Ela tinha "se esquecido" que tinha de ter dinheiro na conta, ela lembrava-se dos direitos mas esquecia-se do dever principal. Mais tarde vim a saber que a dita "Senhora " era muito conhecida pelos seus famosos "calotes", cheques muitas vezes carecas, comprava "fiado" na mercearia do bairro.

E a história daquele tipo que ficou todo chateado porque lhe amolgaram o carro, é chato, mas é pena que ele se tenha esquecido de parar antes da passadeira, o peão já lá estava, a meio.

O taxista que atropelou as 4 crianças? tem o direito de conduzir mas a obrigação de estar sóbrio, não conduzir bêbado, e ainda por cima fugiu. Isso é que é liberdade?

É assim que funcionam a coisas? só nos lembramos dos direitos? e os deveres? ninguém se lembra? temos também que pensar nos outros. Será que a nossa liberdade não esta a tirar a liberdade de outra pessoa? O Caso agora muito falado da aluna e o seu telemóvel , aqui é um bom exemplo. É preciso pensar muito? Viva a Liberdade, mas atenção as liberdades.

 Vejam onde começa e depois acaba, a que ter respeito pela opinião dos outros, o fascismo acabou, a ditadura acabou, mas o excesso de liberdade pode ser prejudicial. Por que? porque muitas das vezes não se pensa nas consequências dos nosso actos.

Assumimos como certo aquilo que queremos e acabamos esquecendo os outros, isso não é viver em sociedade, é viver como animais em que é cada um por si e salve-se quem puder, é viver com os homens das cavernas. Eu tenho direito a minha opinião mas o dever de respeitar a sua opinião, por mais errada que possa achar tenho de a respeitar, posso dizer que esta mal mas tenho de ouvir, por mais absurda que seja mas tenho de ouvir, posso não aceitar mas é a sua opinião, é a sua liberdade de expressão.

Vamos pensar e reflectir bem nestas palavras, pode ser que amanha sejamos um pouco mais respeitadores da opinião de outras pessoas, por mais ignorantes que elas sejam.

Isto é mesmo uma casadegentedoida .

1 comentário

Comentar post