Onde Tudo é Nada... E o Nada é Tudo

Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011
Dialogo com um "Jovem a Rasca"

- Então, foste à manifestação da geração à rasca?
 - Sim, claro.
 - Quais foram os teus motivos?
 - Acabei o curso e não arranjo emprego.
 - E tens respondido a anúncios?
 - Na realidade, não. Até porque de verão dá jeito: um gajo vai à praia, às esplanadas, as miúdas são giras e usam pouca roupa.

Mas de inverno é uma chatice. Vê lá que ainda me sobra dinheiro da mesada que os meus pais me dão. Estou aborrecido.
 - Bom, mas então por que não respondes a anúncios de emprego?
 - Err...
 - Certo. Mudando a agulha: felizmente não houve incidentes.
 - É verdade, mas houve chatices.
 - Então?
 - Quando cheguei ao viaduto Duarte Pacheco já havia fila.
 - Seguramente gente que ia para as Amoreiras.
 - Nada disso. Jovens à rasca como eu. E gente menos jovem. Mas todos à rasca.
 - Hum... E estacionaste onde? No parque Eduardo VII?
 - Tás doido?! Um Audi TT cabrio dá muito nas vistas e aquela zona é manhosa. Não, tentei arranjar lugar no parque do Marquês. Mas estava cheio.
 - Cheio de...?
 - De carros de jovens à rasca como eu, claro. Que pergunta!
 - E...?
 - Estacionei no parque do El Corte Inglés. Pensei que se me despachasse cedo podia ir comprar umas coisinhas à loja gourmet.
 - E apanhaste o metro.
 - Nada disso. Estava em cima da hora e eu gosto de ser pontual.
Apanhei um táxi. Não sem alguma dificuldade, porque havia mais jovens à rasca atrasados.
 - Ok. E chegaste à manif.
 - Sim, e nem vais acreditar.
 - Diz.
 - Entrevistaram-me em directo para a televisão.
 - Muito bom. O que disseste?
 - Que era licenciado e estava no desemprego. Que estava farto de pagar para as reformas dos outros.
 - Mas, se nunca trabalhaste, também não descontaste para a segurança social.
 - Não? Pois... não sei.
 - Deixa-me adivinhar: és licenciado em "Estudos Marcianos".
 - F***-se! És bruxo, tu?
 - Palpite. E então, gritaste muito?
 - Nada. Estive o tempo todo ao telemóvel com um amigo que estava na manif do Porto.

E enquanto isso ia enviado mensagens para o Facebook e o Twitter pelo iPhone e o Blackberry.
 - Mas isso não são aparelhinhos caros para quem está à rasca?
 - São as armas da luta. A idade da pedra já lá vai.
 - Bem visto.
 - Quiriquiri-quiriquiri-qui! Quiriquiri-quiriquiri-qui!
 - Calma, rapaz. Portanto despachaste-te cedo e ainda foste à loja gourmet.
 - Uma merda! A luta é alegria, de forma que continuámos a lutar Chiado acima, direitos ao Bairro Alto.

Felizmente uma amiga, que é muito previdente, tinha reservado mesa.
 - Agora os tascos do Bairro aceitam reservas?
 - Chamas tasco ao Pap'Açorda?
 - Errr... E comeram bem?
 - Sim, sim. A luta é cansativa, requer energia. Mas o pior foi o vinho. Aquele cabernet sauvignon escorregava...
 - Não me digas que foste conduzir nesse estado.
 - Não. Ainda era cedo. Nunca ouviste dizer que a luta continua? E continuou em direcção ao Lux

Fomos de táxi. Quatro em cada um, porque é preciso poupar guito para o verão. Ah... a praia, as esplanadas, as miúdas giras e com pouca roupa...
 - Já não vou ao Lux há algum tempo, mas com a crise deve estar meio morto, não?
 - Qual quê! Estava à pinha. Muita malta à rasca.
 - E daí foste para casa.
 - Não. Apanhei um táxi para um hotel. Quatro estrelas, que a vida não está para luxos.
 - Bom, és um jovem consciente. Como tinhas bebido e...
 - Hã?! Tu passas-te! A verdade é que conheci uma camarada de luta e... bem... sabes como é.
 - Resolveram fazer um plenário?
 - Quê? Às vezes não te percebo.
 - Costuma acontecer. E ficaram de ver-se?
 - Ha! Ha! Ha! De ver-se, diz ele. Não estás a ver a cena. De manhã chegámos à conclusão que ela era bloquista

e eu voto no Portas. Saiu porta fora. Acho que foi tomar o pequeno-almoço à Versailles.
 - Tu tomaste o teu no hotel.
 - Sim, mas mandei vir o room service, porque ainda estava meio ressacado.
 - Depois pagaste e...
 - A crédito, atenção. Com o cartão gold do Barclays.
 - ... rumaste a casa.
 - Sim, àquela hora a A5 não tinha trânsito. Já não havia malta à rasca a entupir o tráfego.
 - Moras onde? Paço d'Arcos? Parede?
 - Que horror! Não, não. Moro na Quinta da Marinha, numa casita modesta que os meus pais se vêem à rasca para pagar. Para a próxima levo-os comigo.

Gonçalo


 

 


sinto-me:

publicado por casadegentedoida às 22:15
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008
Não Sei Quem Assina, Mas Subscrevo

 

Não sei quem assina, mas subscrevo. 
 

  
Sábado, 30 de Agosto de 2008
A Rebeldia iPhone

A SIC montou uma gigantesca campanha de promoção para a sua nova série/novela/monte de merda, que dá pelo nome de Rebelde Way.
Depois de anos a apanhar bonés, percebeu que a melhor maneira de combater a morangada da TVI era...imitar. É lógico. Era inevitável.
Depois de 20 minutos a ver a nova série (o que me provocou uma crise de cólicas da qual só um dia depois começo a recuperar) sinto-me preparado para uma análise.
Bora lá.
A fórmula é a mesma nos dois canais. Aqui fica a receita:

1 - Pitas boas. Muitas, quanto mais descascadas melhor (as séries de verão são, naturalmente, as melhores, porque eles vão todos juntos para a praia).
2 - Gajos "estilosos". A coisa divide-se em dois: há aqueles que têm quase 30 anos mas fazem de adolescentes, e depois há os que são mesmo adolescentes. Estes últimos são aqueles que se levam a sério enquanto "actores". O requisito essencial para qualquer gajo que entre nestas séries é ter um penteado ridículo.
3 - O Rebelde Way tem gajas do norte. Fazem de gajas daqui, mas aquele sotaque é fodido de perder. Fica ridículo, mas as gajas são boas.
4 - Nos Morangos, a palavra "pessoal" é dita 53 vezes por minuto, normalmente inserida nas frases "Eh pá, pessoal!", no início de cada conversa, ou então "Bora lá, pessoal", antes do início de qualquer actividade.

Agora vamos à bosta que a SIC acabou de parir, com pompa, circunstância, varejeiras e mau cheiro.
Chama-se Rebelde Way. Cool, man! O slogan dos Morangos era "Geração Rebelde", mas a inspiração deve ter vindo de outro lado, de certeza. O que me irrita na poia da SIC é que os gajos são todos betinhos (até os mânfios são todos giros e cool e com uma caracterização ridícula, como se fossem a um baile de máscaras vestidos de agarrados ou arrumadores de carros). Mas depois são bué rebeldes. São bué mauzões, man! A brincar com os seus iPhone, com as suas roupinhas fashion, grandes vidas, mas muita mauzões.
Se há algo que esta geração de morangada não pode ser, não tem direito a ser, é ser rebelde. Rebelde porquê, contra quê? Nunca houve em Portugal geração mais privilegiada do que a actual à qual esses putos pertencem. Nunca qualquer puto teve tanta liberdade e tanta guita no bolso como esta malta. Nunca as pitas foram tão boas e tão disponíveis para foder com a turma inteira como agora. Nunca houve tamanha liberdade de mandar os pais à merda e exigir uma melhor mesada porque é altura dos saldos. Rebelde porquê? Em nome de quê?
É claro que isto são pormenores com as quais as novelas não se deparam, nem têm de o fazer. O objectivo é simples: para uma geração tão privilegiada como aquela que é retratada, há que criar uma rebeldia fictícia, porque não é cool ser dondoca aos 16 anos. Mas é o que todos eles são.
Há uns tempos vi, no largo do carmo, um bando de aí uns 15 putos e pitas, vestidos à dread com roupinha acabada de comprar na Pepe Jeans. Um dos putos que ia à frente, não devia ter mais de 16 anos, vem a falar à idiota como se fosse dono da rua, saca duma lata de tinta e escrevinha qualquer coisa de merda na parede. Todos se riram, todos adoraram, e ele foi, durante cinco minutos, o maior do bairro. Não fiz nada, mas devia ter-lhe partido a boca toda.
Todas as últimas gerações antes desta (incluindo a minha, a Geração Rasca, que se transformou na Geração Crise - bem nos foderam com esta merda) tiveram de furar, de lutar, de fazer algo. Havia uma alienação mais ou menos real, que depois se podia traduzir nalguma forma de rebeldia. Não era o 25 de Abril como os nossos pais. A nossa revolução é a dos recibos verdes e da consolidação orçamental. Mas esta morangada sente-se, devido à merda que a televisão lhes serve e aos paizinhos idiotas que (não) a educaram, que é dona do mundo. Quando já és dono do mundo, vais revoltar-te contra quem? E por que raio haverias de o fazer?!
E assim vamos nós.
Com novelas de putos "rebeldes", feitas por "actores" cujo momento de glória é entrar numa boys band ou aparecer de cu ao léu na capa da FHM, ensinando a todos os outros putos que temos que ter cuidado com as drogas (mas todos os agarrados são limpinhos, assépticos, com os mesmos penteados ridículos), que a gravidez adolescente é má (mas todas as pitas querem foder à grande, porque são donas da sua própria vida e os pais não sabem nada, etc.) e que, sobretudo, este mundo lhes deve alguma coisa.
Os tomates.
A mim e aos meus, o mundo deve alguma coisa. Aos que foram atrás da merda do canudo para trabalhar num call center, aos que se matam a trabalhar e são forçados a ser adultos antes do tempo. Não a esta cambada de mentecaptos.
E depois estas séries vão retratando "problemas sociais da juventude", afagando a consciência de quem "escreve" aquela merda, enquanto ao mesmo tempo incentivam esta visão egocêntrica, egoísta e vácua desta geração acabadinha de sair do forno.
Talvez eu esteja a ficar velho e a soar como o meu pai. Lamento se não é cool.
Mas esta merda enoja-me.

(recebido por email, autor desconhecido)

 

Haja paciência para tantas telenovelas, a minha já acabou a muito tempo.

Isto é mesmo uma casadegentedoida.

 


sinto-me:

publicado por casadegentedoida às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Dialogo com um "Jovem a R...

Não Sei Quem Assina, Mas ...

links
arquivos

Janeiro 2018

Dezembro 2016

Novembro 2016

Agosto 2016

Maio 2016

Abril 2016

Janeiro 2016

Julho 2015

Maio 2015

Março 2015

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Junho 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds